ARIANE TEIXEIRA

Ela cansou de se sentir infeliz. Jovem demais para tanto peso, optou pela cirurgia e por uma vida mais saudável. Hoje em dia está com o IMC de uma pessoal magra.

 

 

 

Antes

 

Nove meses depois

x  

(- 50 kg)

x  

(Foto atualizada após o depoimento)

x    

Dados:


Nome:
Ariane Rezende Teixeira
Idade:
25 anos
Altura:
1,70m
Peso Anterior:
116 kg
IMC Anterior:
40,1
Data da cirurgia:
06/04/2004
Técnica:
Capella
Método:
aberta
Plano de saúde:
DIX
Peso atual:
73 kg
IMC atual:
25,2
Médico:
Dr. Fernando Barroso
Hospital:
São Lucas

Depoimento:

Em 20/11/2004 

Nasci gorda... Nasci com 50cm e 4kg exatos. Todas as crianças nascem com alguns gramas a mais ou a menos, mas eu não. A balança parou nos 4kg e não andou nem um graminha. Acho que isso já era uma prévia do meu futuro.
Apesar de nascer gordinha, fui um bebê muito magro, até 1 ano e 8 meses. Não gostava de comer nada, só gostava de ovo cozido e pêra, mas uma alergia à sandália Melissinha me fez tomar remédios de alergia, com base em corticóides. Aí começou meu suplício, comecei a engordar e nunca mais fui magra.
A primeira vez que me lembro fazendo dieta foi aos 7 anos, com um nutricionista. Naquela época, se não me engano, eu já pesava mais de 40kg, mas como nunca fui baixinha, o peso se distribuía bem. Todo mundo falava que era da idade, que quando ficasse "mocinha", eu emagreceria. Só que isso nunca aconteceu. Com 10 anos, fiz um tratamento de "homeopatia", emagreci 8kg em 2 semanas, mas não conseguia subir as escadas da minha casa. Numa das consultas com a médica, minha pressão estava a 60/40mmHg, baixa demais para qualquer adulto, imaginem para uma criança de 10 anos!!!!!!! E a médica dizendo que era assim mesmo, que estava normal. Mais tarde descobri que o meu remédio continha moderadores de apetite, calmantes, inibidores de tireóide, e mais outros venenos. Parei de tomar o remédio, e como costumamente acontece, engordei tudo que tinha perdido e mais um monte. Depois desse episódio, ainda fiz outras dietas com médicos, nunca com muito sucesso.
Com 17 anos, entrei na faculdade (sou dentista), e estava com 98kg. Com a correria de faculdade, acabei emagrecendo 20 kg em 1 ano, no terceiro período estava com 78kg e me sentindo magérrima, arrumei nessa época meu primeiro namorado. Só namorei com 17 anos, porque a gordinha sempre é a melhor amiga de todo mundo, mas nunca a candidata a namorada. O namoro acabou e os quilos foram voltando, aos poucos, mas voltaram. Me formei em 2000 pesando novamente entre 90 e 95 kg, não sei exato. Até aí tudo bem, era gordinha, mas não obesa. Só que, com a formatura, comecei a trabalhar, e nunca fui adepta a academias de ginástica... Meu dia-a-dia era casa-consultório-casa-computador-cama. E com isso, só fui engordando, cada vez mais. Cheguei ao ponto de engordar 4 kg por mês, e resolvi voltar a fazer dieta com remédios. Tentei o Plenty, emagreci 1 kg em 40 dias... Tentei o Xenical, não emagreci e tive prisão de ventre. Tentei a anfepramona, não emagreci. Tentei o femproporex (moderador de apetite), engordei 6 kg em 1 mês. Meu endocrinologista desistiu e me incentivou a fazer a cirurgia. Estava com 24 anos e quase 120 kg.


Eu já conhecia a cirurgia, minha amiga de faculdade fez e estava super bem, mas eu não aceitava aquilo pra mim, achava que não ia poder comer nunca mais, não aceitava essa idéia, apesar de nunca ter comido muito. Mas chegou uma hora que eu estava deprimida, achava que tudo na minha vida dava errado porque eu era gorda. Tinha um namorado que me amava, tinha acabado de ficar noiva, mas não conseguia me SENTIR feliz. Pensava no futuro, sempre quis ser mãe, como seria mãe pesando tanto? E eu estava inchada demais, não conseguia andar 2 quarteirões da minha casa pro consultório, minhas pernas pareciam troncos de árvores, de tão inchadas.
Entrei em contato com meu plano de saúde, tinha uma carta de indicação à cirurgia feita pelo meu endocrinologista. Eu, ao contrário de muita gente, não tive qualquer problema com o plano de saúde porque já tinha mais de 2 anos de adesão. Eles me deram a carta de recomendação e marquei consulta com o médico que eles me indicaram, o Dr. Fernando Barroso.


No dia 06/11/03, fui à minha primeira consulta. A médica da equipe me explicou a cirurgia, me deu todas as informações necessárias e tirou todas as dúvidas que eu tinha, principalmente sobre alergias, porque sou alérgica a anestesia de dente, e como nunca tinha feito nenhuma cirurgia, corria risco de choque alérgico. A partir daquele dia, começou a minha corrida para as consultas. São várias: pneumologista, endocrinologista, cardiologista, psiquiatra, gastroenterologista... e o meu médico ainda pede dois laudos que normalmente não são pedidos: um do ginecologista e um do dentista (já que precisamos mastigar tudo muito bem pós-cirurgia, ele não opera pessoas em condições odontológicas não-favoráveis). Em janeiro deste ano, eu tinha todos os laudos em mão, e estava super-preparada pra operar, muito animada. Mas a minha endoscopia deu a danadinha da bactéria Helicobater Pylori, tão temida por quem quer operar. Tive que fazer um tratamento sério de 35 dias, fazer um outro exame, e só assim consegui ser liberada. Com esse atraso, só consegui operar em abril.
No dia da minha cirurgia, estava apreensiva, eu participava de uma lista na Internet sobre gastroplastia, e uns 2 dias antes um rapaz tinha falecido por complicações pós-cirúrgicas. Estava com medo, não nego, mas fui em frente, sempre achei que era melhor morrer tentando do que morrer de tristeza por não sair de casa com vergonha.

Minha cirurgia foi um sucesso, graças a Deus. Quando acordei no CTI, a primeira coisa que eu fiz foi colocar a mão na barriga pra ver se estava cortada e se a cicatriz era muito grande. A segunda coisa que fiz foi chorar ao ver minha mãe, e reclamava que não sentia minhas pernas (ainda estava anestesiada). Passei uma noite muito tranqüila, sem dores, já conseguia trabalhar bem com o Respiron (aparelho para fisioterapia respiratória), e no dia seguinte fui para o quarto. Só sofri com uma coisinha: gases!!!!! Eu estava me sentindo tão bem que conversava com todo mundo pelo telefone, batia longos papos, e acabei sofrendo bastante com os gases. Operei numa terça, e na quinta de manhã estava indo pra minha casa.
O primeiro mês é complicado, pra todo mundo... no início, não era difícil ficar no líquido, eu não tinha mesmo vontade de comer nada... mas depois de 20 dias, eu tinha vontade de comer alface!!!!! Juro.... era a vontade de mastigar qualquer coisa...mas segui tudo à risca e só comi no dia que fiz 1 mês. Os outros meses foram vindo bem mais fáceis, é um aprendizado diário... no primeiro mês eu estava triste, tinha perdido só 8,5kg, isso sim deixa a gente chateada, eu já achava que não ia emagrecer nada.... besteira, a gente emagrece sim, uns lentamente, outros bem mais rápido, mas todos emagrecemos.


Hoje estou com 7 meses e meio de operada, MUITO FELIZ!!!!!! Perdi 43kg!!!!!!! A médica que me acompanha, a Dra. Adriana, já me chama de "magrelinha". Na minha última consulta de revisão, perguntei a ela se havia uma meta, um limite de emagrecimento. Ela me disse: "Ariane, isso depende de você.. quanto você quer pesar???? Pra mim, você está muito bem, está com IMC de 25,2, de uma pessoa normal. Eu mesma tenho IMC de 26 e uns quebrados." Somente nessa hora caiu a minha ficha... Sou uma pessoa magra!!! Nunca imaginei que isso fosse acontecer comigo, nunca imaginei que um dia ia entrar num provador de loja e mandar minha mãe levar a calça 44 e trazer uma 42 porque a outra estava larga. A cada dia que passa me sinto mais feliz, mais realizada, mais "normal". Hj sei que sou uma pessoa normal, que posso comer uma bala e não ficar neurótica de saber quantas calorias tem. Posso colocar uma roupa e não imaginar que vão virar pra mim e dizer "você é tão bonita de rosto, porque não emagrece??", como se ser magra fosse uma imposição para ser bonita. Hoje já posso fazer planos de ser mãe, porque sei que não vou colocar em risco a minha saúde e nem a do meu bebê. Todo mundo quando me vê comendo pouquinho, faz cara de pena e pergunta se eu não me arrependo... minha resposta é sempre a mesma: "Me arrependo de ter perdido a minha adolescência sendo complexada, me arrependo de não ter feito a cirurgia antes".
 

O Gastroplastia.net pergunta: Você recomenda esta cirurgia? Porque?

Sim, recomendo. Eu recomendo com cautela, não acho que a cirurgia seja a solução para todos os obesos. Eu, como leiga, como paciente que teve um grande sucesso, recomendo, claro... quem não recomenda uma coisa que te fez bem??? Eu costumo dizer que tenho vontade de andar com as minhas fotos antigas e com o cartão do meu médico para todos os lugares que eu vou, mas sei que colocando isso em prática a situação é outra, tem pessoas que realmente não se adaptam à cirurgia, porque sentem prazer em comer e não são disciplinadas, tem outras pessoas que colocam toda sua esperança de vida na cirurgia, e isso também não é o certo. Eu recomendo, sim, porque me fez bem e estou muito feliz. Mas o aval final sempre deve ser dado por um médico capacitado a reconhecer um problema no paciente, mesmo que este seja quase imperceptível.

 

 

** Esta página é integrante do Gastroplastia.net. ® Todos os direitos reservados. **