Página Inicial   Mapa do site   Todos os contatos do site

 
X

:: Copyright © 2003-2007 Gastroplastia.net :: Todos os direitos reservados ::

:: Proibida a reprodução total ou parcial deste site sem a prévia autorização da autora ::

 
 
 
Operados escrevem o seu relato e dão sua opinião a respeito da cirurgia. Depoimentos completos e  com fotos de antes e depois. Nem todas as cirurgias são tranqüilas. Confira todos os depoimentos.

 

 

TIPOS DE CIRURGIA



Existem 5 tipos de cirurgias e algumas variações das mesmas para o tratamento da obesidade mórbida. Clique nos links abaixo e leia mais sobre cada assunto. Caso queira mais detalhes, procure informações nas fontes.

Nota Importante: Todas as técnicas cirúrgicas apresentam riscos. Estes riscos são variados, dependendo da técnica e do método a ser utilizado. Leia com atenção a respeito e informe-se sobre os pormenores com o seu cirurgião. Leia também sobre os Riscos que a cirurgia oferece.

Tipos de Cirurgia (As técnicas):

 

BALÃO INTRAGÁSTRICO



É colocado via endoscopia, sem a necessidade de internação, utilizando-se uma prótese feita de silicone com a forma de um balão. É colocado vazio dentro do estômago e depois enchido com soro fisiológico. Quando inflado, o balão preenche certo espaço no estômago, dando ao paciente a sensação de saciedade. Esta técnica é temporária. É necessária a retirada do balão 6 meses após ter sido colocado pois o mesmo vai aos poucos sendo corroído pelos ácidos estomacais. A retirada do balão também é feita através de endoscopia.
É indicado a pacientes com IMC entre 35 e 40 que não conseguiram obter sucesso com outros métodos de emagrecimento e super obesos, que necessitam perder peso antes da cirurgia de obesidade a fim de reduzir os riscos cirúrgicos. Mas esta técnica não-cirúrgica deve ser acompanhada de uma reeducação alimentar pois o paciente tende a engordar todo peso perdido após a retirada do balão, caso sua alimentação não tenha sido modificada ao longo dos 6 meses.

IMPORTANTE: O balão intragástrico é uma medida utilizada como auxiliar na cirurgia de obesidade. Cerca de mais de 50% dos pacientes voltam a ganhar peso após a retirada do mesmo e, muitas vezes, ganham mais peso de que tinham antes de colocar o balão. É uma técnica cara pois o balão é fabricado fora do Brasil. O preço é pago em dollar.

 

 

[Voltar]

 


BANDA GÁSTRICA AJUSTÁVEL



Consiste em colocar uma banda de silicone em volta do estômago a fim de diminuir a quantidade de alimentos a serem recebidos pelo estômago. Com a passagem lenta do alimento para o estômago, o paciente se sente saciado em pouco tempo. Como a banda limita apenas a passagem de alimentos e não de líquidos, deve-se tomar muito cuidado com a ingestão de líquidos calóricos.
A banda possuí ainda um balão ligado a um tubo por onde pode-se ajustar o anel de silicone, aumentando ou diminuindo o seu tamanho, até adaptação adequada ao paciente. É uma cirurgia que pode ser revertida, caso o paciente não se adapte.

 

 

 

[Voltar]


BY PASS EM Y DE ROUX



Consiste em grampear o estômago reduzindo a sua capacidade e o seu espaço. O novo estômago fica com um tamanho de cerca de 50 ml. Unindo-se a isto, é feito um desvio do intestino de cerca de 2 metros. O tamanho normal do intestino é de 7 metros. O intestino desviado é ligado no novo estômago. Este tipo de cirurgia gera uma má absorção dos alimentos, devendo-se tomar complexos vitamínicos para o resto da vida, repondo as vitaminas necessárias para o bom funcionamento do corpo. Em certos casos, há a necessidade de tomar vitamina B12 (ferro) via intra-muscular. A perda de peso é rápida e corresponde a cerca de 70% a 80% do excesso de peso. Quando o alimento é ingerido em excesso, o paciente sente mal estar, desconforto, que levam ao vômito. Não se coloca anel de silicone nesta cirurgia.

 

 

 

 

[Voltar]


CIRURGIA DE CAPELLA



Semelhante ao Bypass, só que com a colocação do anel, também há o grampeamento do estômago e o desvio do intestino em cerca de 1 metro, ligando-o ao novo estômago. É colocado um anel de silicone em torno do novo estômago, dificultando a passagem dos alimentos. Este anel impede a dilatação da entrada do novo estômago. Tem a mesma eficiência da operação por Bypass em Y de Roux, que não leva anel. Também há uma má absorção dos alimentos, devendo o paciente tomar complexos vitamínicos para repor as vitaminas necessárias ao corpo.

 

Observe na figura o anel na passagem para o estômago.

 

[Voltar]


CIRURGIA DE SCOPINARO



Consiste na retirada parcial do estômago ou secção do mesmo, reduzindo a sua capacidade em 50% e na secção do intestino delgado, fazendo um desvio grande, ligando-o novamente ao estômago. Nessa operação predomina a má-absorção. Ao contrário das operações de Capella e Bypass, o estômago fica com um tamanho de cerca de 300 ml, possibilitando o paciente comer bem mais do que nos outros tipos de operação de Má Absorção de alimentos. Grande parte dos alimentos ingeridos não são totalmente digeridos, causando diarreias, no caso da ingestão de gorduras, e fezes e flatos de odor fétido.
Nesta cirurgia a perda do excesso de peso está entre 80% a 95%.

 

 

 

[Voltar]


Derivação Bilopancreática - Scopinaro Modificado - Domene

A DERIVAÇÃO BILIOPANCREÁTICA é conhecida como operação de Scopinaro. É uma cirurgia mista, mais disabsortiva do que restritiva.
Consiste em criar uma bolsa com cerca de 500ml de capacidade (volume) no estômago pela aplicação de grampos metálicos delicados, de aço titânio, chamados de sutura mecânica, dividindo-se o estômago e fazendo-se uma anastomose (ligação,junção) entre esta bolsa e o intestino delgado.

O reservatório gástrico assim criado ao receber alimentos se distende após conter cerca de 500ml o suficiente para informar ao paciente que já está cheio, e o alimento passa diretamente para o intestino delgado evitando as outras etapas de absorção dos nutrientes, esta anastomose, ligação entre o estômago e o intestino delgado possui um segmento muito longo de intestino com 2,5metros, o que causa uma disabsorção intensa, logo o paciente aproveita muito menos o alimento ingerido ou seja alem de ser uma cirurgia pouco restritiva é uma cirurgia muito disabsortiva. Em vista disso o paciente necessita de acompanhamento rigoroso com médico e nutricionista, além de fazer uso de medicações específicas para se evitar seqüelas causadas pôr desnutrição e hipovitaminoses. Nesta cirurgia o paciente tem a vantagem de comer bastante e mesmo assim perder peso, tem que ingerir proteínas em grande quantidade(carnes) e alimentos ricos em cálcio como derivados do leite (queijos principalmente). Esta cirurgia é muito utilizada em pacientes superobesos e supersuperobesos, pois leva a uma perda de peso acentuada em torno de 90% do excesso de peso.


Esta técnica criada por um cirurgião brasileiro o Dr.Domene, de São Paulo, tem uma grande vantagem que é a preservação do estômago, evitando a amputação de um segmento grande deste órgão, o que diminui as complicações alem de tornar a cirurgia totalmente reversível.


Vantagens


1) Este procedimento em geral traz um alto grau de satisfação para os pacientes, pois permite que o paciente coma mais abundantemente que os procedimentos que causam restrição como banda e derivação gástrica. Logo menor sequela de complicações psicológicas relacionadas à dificuldade de ingestão alimentar, se comparada às cirurgias com componentes restritivos intensos.

2) Produzem a maior redução do sobrepeso pois proporcionam os níveis mais altos de disabsorção. Logo é a mais indicada nos super obesos.

3) Em um estudo de 125 pacientes se conseguiu uma redução de 74% do excesso de peso no final de um ano, de 78% do excesso de peso aos 2 anos, de 81% aos 3 anos, de 84% aos 4 anos e de 91% aos 5 anos.

4) A manutenção da perda de peso a longo prazo com excelentes resultados geralmente ocorre se o paciente segue as orientações dietéticas, suplementação de vitaminas e minerais, de exercícios e de conduta.

5) Nesta técnica não se retira o estômago como nas derivações biliopancreáticas clássicas, logo é uma cirurgia reversível e com menos complicações.

 

Riscos


1) Em todos os procedimentos de disabsorção existe um período de adaptação intestinal em que os movimentos do intestino podem ser muito líquidos e freqüentes. Esta condição diminui com o tempo, porem pode se tornar em algo permanente para toda a vida.

2) Podem ocorrer inflamações abdominais assim como material fecal ou fezes fétido.

3) Se recomenda realizar uma supervisão vitalícia regular no sentido de evitar desnutrição de proteínas, anemia, enfermidades ósseas. também se requer um suplemento vitamínico vitalício. Se tem observado que em termos gerais, se as instruções em relação a comida e suplementos vitamínicos não são seguidos, pelo menos 25% dos pacientes desenvolvem problemas que precisam de tratamento. Podem ocorrer dificuldades na absorção de ferro, cálcio, vitaminas A e D e proteínas.

4) As mudanças da estrutura intestinal podem produzir um risco aumentado de formação de cálculos biliares e a necessidade de retirada da vesícula.

5) O desvio da via biliar, dos sucos digestivos pancreáticos e outros sucos gástricos podem causar irritação intestinal e ulceras, o que pode ser evitado por manobras cirúrgicas ou uso de medicações.

6) Podem ocorrer a produção maior de gases intestinais, fezes e flatos mal cheirosos, o que pode incomodar.

 

Texto enviado por Melissa Machado da Silva. Obrigada, Melissa!

 

[Voltar]


Desvio Bilopancreático com Preservação Gástrica (DBPPG)


Nessa técnica o estômago é também cortado, mas seu segmento distal permanece conectado ao duodeno, liberando as substâncias produzidas juntamente com a bile e suco pancreático na alça biliopancreática.
Neste método operatório não são retirados pedaços das estruturas abdominais, permitindo total reversibilidade desse tipo de operação, caso isso seja necessário no futuro e determina menores riscos para o procedimento.

A vesícula biliar também é preservada, entretanto necessita acompanhamento pós-operatório porque também apresenta uma incidência maior de formarem-se pedras em seu interior.

Dependendo do grau de obesidade pode-se modificar o tamanho das alças intestinais - alimentar, biliopancreática e comum - fazendo uma operação sob medida para cada paciente.

Para todas as operações disabsortivas, há um período de adaptação intestinal, após o qual o funcionamento intestinal estabiliza-se em uma média de três vezes ao dia.



Vantagens

- São as operações que determinam a maior e mais consistente perda de peso de todas as técnicas atualmente empregadas;

- Devido a eficácia no processo de emagrecimento ela é mais indicada nos indivíduo super-obesos;

- As operações resultam em substancial grau de satisfação dos pacientes, principalmente porque podem comer refeições maiores ou mesmo normais, em relação aos que são tratados com procedimentos puramente restritivos;


Desvantagens

- As modificações na anatomia intestinal aumentam o risco de formarem-se pedras na vesícula biliar; portanto, em algumas técnicas, a vesícula é removida durante a operação;

- Desde que a bile e suco pancreático não percorrem seu caminho normal, diminui também sua ação tampão sobre o ácido gástrico, podendo levar a formação de úlceras. Isto pode ser evitado através de manobras cirúrgicas ou medicação pós-operatória;

- Efeitos colaterais que podem incomodar são a presença de produção maior de gases intestinais, fezes e flatos mal cheirosos;

- Os diferentes desenhos das operações promovem dificuldades variáveis de absorção de ferro, cálcio, vitaminas A e D e proteínas

- Longas "alças comuns" diminuem as complicações e reduzem a necessidade de internações para tratar de problemas metabólicos, mas a perda de peso também pode diminuir;

- O acompanhamento rotineiro para avaliar desnutrição protéica, anemia e alterações ósseas é necessário;

- Suplementos nutricionais e vitaminas, bem como seguimento por toda a vida são importantes para manutenção de saúde e bem estar

- Estes tipos de operações disabsortivas criam um mesmo curto segmento de "alça intestinal comum";

- O tamanho da bolsa gástrica e comprimento do intestino transposto são muito importantes na prevenção de uma excessiva desnutrição. Portanto são diretamente dependentes da experiência do cirurgião bariátrico.

FONTE e figura: Nutro - Cimamed
 

 

[Voltar]



Fontes:

E depois da gastroplastia? Como fica a pele? Ela volta a aderir? Será necessário fazer plástica? Quais os lugares do corpo em que a pele fica mais flácida? É possível a retirada das cicatrizes da gastroplastia através de uma plástica? Essa e muitas outras dúvidas serão respondidas aqui.

Leia mais

 

Tire as suas dúvidas sobre o Antes, o Durante e o Depois da cirurgia.
Veja as fotos e o  relato sobre uma  gastroplastia feita através da cirurgia por vídeo.  
Existem várias técnicas para se fazer a cirurgia de redução de estômago...
A gastroplastia é uma cirurgia delicada , indicada somente pessoas com um alto grau de obesidade , chamada obesidade mórbida. Indivíduos com obesidade mórbida possuem IMC (índice de massa corporal) igual ou acima de 40. Calcule o seu IMC  e veja se você é um candidato à cirurgia.
Procure o seu cirurgião. Mais de 60 cirurgiões cadastrados de vários estados brasileiros.

Queda de cabelo? Calma! Você não vai ficar careca, mas seu cabelo poderá cair muito. O desvio do intestino ajuda muito no processo de emagrecimento. Mas a má absorção de proteínas e vitaminas é a grande causadora da queda de cabelos em pessoas que já operaram. Leia mais ..